Avaliação de Vírus no Ar para COVID-19

O vírus SARS-CoV-2, causador da COVID-19, ainda deixa muitas perguntas sem respostas. Uma delas é como avaliar sua presença e concentração no ar. Já há estudos disponíveis sobre o vírus, princípios gerais de avaliação de contaminantes biológicos, investigações sobre identificação da contaminação ambiental por SARS-CoV e potencial de transmissão para áreas adjacentes.

As principais abordagens de amostragem no ambiente são de superfícies com swabs e do ar do ambiente com bombas de amostragem de ar, seguida de análise por PCR (reação em cadeia da polimerase) baseada no RNA do vírus.1

Listamos três opções para coleta de vírus no ar e detalhes importantes para a seleção do amostrador adequado

Amostrador Filtros Cassetes2,3,5 Amostrador Button6 BioSampler4,5
Pontos importantes Fácil, econômico e amplamente utilizado.

Sistema de coleta pequeno, fácil e leve.

Ideal para amostragem pessoal e colocação dentro e fora de áreas de teste.

Usado por agências para amostragem de  SARS-CoV

Coleta superior de bioaerossóis na  fração inalável.

Proximidade do filtro e entrada de ar, minimiza  perdas por transmissão.

Promove a distribuição de partículas por igual.

Desempenho próximo à ISO 7708/CEN , Autoclavável

Permite amostragem de 8 horas.

Pode ser preenchido com água destilada estéril ou outros líquidos adequados para análise PCR.

Ideal para estudos de pesquisa

Modo de coleta Filtração, coleta em filtro Filtração, coleta em filtro Borbulhamento, coleta em meio líquido
Meio Filtro PTFE, 37mm, 0,3µm, usado para SARS

 

 

Filtro de gelatina estéril, 25mm (mantém microrganismos viáveis para crescimento em culturas)*

* Para amostragens de curta duração apenas

Água destilada estéril, solução salina fisiológica, solução salina tamponada de fosfato (PBS), caldo nutritivo ou água peptonada.
Bombas recomendadas AirChek TOUCH 

AirChek XR 5000

AirChek TOUCH

AirChek XR 5000

BioLite+ (12,5 L/min)
  Cassette para coleta de SARS Amostrador de Bioaerosol Button Amostrador de Bioaerosol BioSampler

Considere que vírus não são amostragens rotineiras em investigações de qualidade do ar ou higiene ocupacional, pois são normalmente encontrados em níveis muito baixos, difíceis de detectar e não apresentarem relevante interesse para a saúde pública como no momento. É um desafio manter os vírus viáveis para análise, pois exigem uma célula hospedeira para se replicar. A Faster e a SKC recomendam que sejam seguidas orientações de um laboratório qualificado, com experiência em análises de vírus antes de realizar qualquer amostragem ou estudos no ar.

Referências:

1Booth, T.F. et al., “Detection of Airborne Severe Acute Respiratory Syndrome (SARS) Coronavirus and Environmental Contamination in SARS Outbreak Units,” J. Infectious Disease, 2005, May 1; 191(9), pp 1472-7, https://doi.org/10.1086/429634

2Verreault, D. et al., “Methods for Sampling of Airborne Viruses,” MMBR, 72 (3), Oct. 2008, pp 413-44, doi: 10.1128/MMBR.00002-08, https://bit.ly/2TFbD15

3Ong, S. et al., “Air, Surface, Environmental, and Personal Protective Equipment Contamination by Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2 (SARS-CoV-2) from a Symptomatic Patient,” JAMA, March 4, 2020, doi: 10.1001/jama.2020.3227, https://bit.ly/38oW8jn

4Cao, G. et al., “Development of an Improved Methodology to Detect Infectious Airborne Influenza Virus Using the NIOSH Bioaerosol Sampler,” Jnl. of Env. Mon., 2011, Dec. 13(12), pp 3321-8 Research Gate: 51695684

5Nguyen, T. T., et al., “Bioaearosol Sampling in Clinical Settings: A Promising, Noninvasive Approach for Detecting Respiratory Viruses,” Open Forum Infectious Disease, 4(1) Winter 2017, https://doi.org/10.1093/ofid/ofw259

6Burton, N.C., et al., “Physical Collection Efficiency of Filter Materials for Bacteria and Viruses,” Ann. Occup. Hyg., Vol. 51, No. 2, 2007, pp. 143-151, https://doi.org/10.1093/annhyg/mel073

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *